IFAM/PF oferece curso de Engenharia de Aquicultura do Amazonas

Engenharia de Aquicultura no IFAM Campus Presidente Figueiredo 

O Instituto Federal do Amazonas – IFAM Campus Presidente Figueiredo traz para o município de Presidente Figueiredo o primeiro curso de Engenharia de Aquicultura do Amazonas. O curso tem duração de 5 anos, com formação sólida em curso de Engenharia, voltado à criação de organismos aquáticos, desde a criação ao beneficiamento. O profissional Engenheiro de Aquicultura formado pelo IFAM Campus Presidente Figueiredo poderá atuar em empresas de produção de organismos aquáticos, como consultor para associações e cooperativas de produtores, Prefeituras, Secretarias de Pesca e Aquicultura, de Agricultura, empresas públicas, privadas, Organizações Não Governamentais, entre outras. O profissional também poderá atuar como empreendedor na produção de organismos aquáticos e seu beneficiamento; na geração de tecnologias para automação e controle de empreendimentos aquícolas; ou no ensino/pesquisa da Aquicultura em instituições públicas e privadas em nível superior ou técnico.

A inscrição do curso deverá ser feita com a nota do ENEM 2018, por meio do SISU 2019 (//sisu.mec.gov.br/inicial), no período de 22 a 25 de janeiro de 2019. Não perca essa oportunidade de graduação gratuita e de qualidade. O edital com as informações sobre todos os cursos do IFAM pode ser acessado no link //www2.ifam.edu.br/noticias/estude-no-ifam-graduacao-sisu/view.
O curso de Engenharia de Aquicultura tem a disponibilidade de 30 vagas. As notas mínimas para acesso pelo ENEM estão na página 8 do documento ANEXO I – TERMO DE ADESÃO, que pode ser baixado no link (www.encurtador.com.br/bczEJ)
O IFAM, ao longo de sua história de 110 anos de existência está comprometido em promover com excelência a Educação, Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. O Curso de Engenharia de Aquicultura é um avanço educacional, científico e tecnológico de grande importância para o desenvolvimento do cenário aquícola amazônico. A verticalização no ensino de qualidade na área de aquicultura é emergencial, em especial nas regiões Amazônicas, onde existem somente, cursos de nível superior de Bacharelado em Engenharia de Pesca, Tecnologia em Produção Pesqueira e Tecnologia em Aquicultura.

A construção do curso de Engenharia de Aquicultura em Presidente Figueiredo tem como pontos fortes: 1 – corpo docente qualificado no IFAM, com mais de 75% dos docentes com mestrado e doutorado; 2 – Proximidade com Manaus, hoje a maior cidade em consumo de pescado na Amazônia, que atualmente compra tambaqui proveniente da aquicultura dos Estados de Rondônia, Roraima, Tocantins, entre outros; 3 – O município de Presidente Figueiredo está localizado à 107 km de distância de Manaus, o que permite a facilidade de interação e troca de experiências com grandes centros de pesquisa como Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias, entre outros; 4 – Presidente Figueiredo possui um dos maiores lagos com aptidão aquícola na Amazônia – o Lago da Usina Hidroelétrica de Balbina, com potencial de produção de quase 30 mil toneladas de pescado em tanque- redes; entre outros.
O corpo docente do IFAM Campus Presidente Figueiredo, tem vasta experiência na elaboração e execução de projetos de pesquisa e de extensão com contemplações que vão desde o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas e Instituto Federal do Amazonas. Além disso, os docentes do curso tem envolvimento com diversos programas de mestrado e doutorado com a Universidade Federal do Amazonas. Essas qualidades garantem uma excelência em corpo docente, item muito bem avaliado pelo MEC durante as avaliações dos cursos de graduação.

PUBLICIDADE


A possibilidade de implantação do Parque Aquícola do Reservatório da Usina Hidrelétrica de Balbina é outro ponto forte para o curso de Engenharia em Presidente Figueiredo. Estimativas da Secretaria de Estado da Produção Rural apontam que a área apta à atividade tem potencial para produzir entre 20 a 50 mil toneladas de pescado. Isso por si só elevaria a produção do estado para quase 70 mil toneladas, tornando o Amazonas o terceiro ou quarto produtor de pescado nacional. Segundo estudos do coordenador do Curso de Engenharia de Aquicultura, Professor Doutor Jackson Pantoja Lima, “a produção seria suficiente para suprir a demanda de pescado do Estado do Amazonas, que hoje importa pescado, em especial o tambaqui, dos Estados de Rondônia e Roraima”.
Diante desse cenário e da vocação cada vez maior do município para a atividade aquícola, o Curso Superior de Engenharia de Aquicultura irá auxiliar na formação de mão de obra altamente qualificada para atuar à frente da seleção de áreas para implantação de empreendimentos aquícolas, manejo e boas práticas de cultivo de peixes, monitoramento e qualidade de água, tecnologias de pós-colheita, assessoramento de serviços de engenharia, bem como fomentar o empreendedorismo da atividade na Amazônia. A abrangência do curso de Engenharia de Aquicultura não se limita ao Estado do Amazonas. Concentrar esforços na formação de mão de obra na área de aquicultura vai ao encontro das tendência mundiais para a produção de pescado, que segundo o relatório do Órgão das Nações Unidas para Alimentação e a Agricultura (FAO) de 2016, a aquicultura é a principal estratégia para suprir a crescente demanda de pescado pela população humana, que tem uma média de consumo de pescado da ordem de 18kg/pessoa/ano.
Duvidas podem ser enviadas para o email: Jackson.lima@ifam.edu.br.

Não fique de fora!
Não perca essa oportunidade!
Inscrições vão até dia 25 de janeiro de 2019, por meio do site do SISU.

//sisu.mec.gov.br/

Informações completas sobre o curso você encontra no link: //www2.ifam.edu.br/campus/cprf/ensino/graduacao/engenharia_aquicultura

 

Por: Bosco Cordeiro

Enjoy this blog? Please spread the word :)